SEJA PARCEIRO DA RÁDIO WULP

Galera, vamos lá, se você tem um blog ou site, seja parceiro da Rádio mais ROCK AND ROLL do universo.
CLIQUE AQUI E SEJA PARCEIRO DA RWULP

Destaques

The Ocho Guitar Lessons: Detroit Rock City Solo ________________________________________________________ The Ocho Guitar Lessons: Beat It

Guia de Informações

1 - Por favor comente em nossos posts, o seu elogio, é a nossa motivação, portanto, COMENTE!

2- A maioria das vezes não botamos senha nos arquivos, se houver senha, ela estará vísivel no post.

3 - Algum link desativado ou problema em algum arquivo baixado?, contate-nos aqui, e veremos o que podemos fazer.

4 - Pedidos? Aqui

5 - Contribuições de links ou textos? Aqui

6 - Aos poucos nosso acervo vai crescendo, pra procurar, qualquer discografia, texto, matéria, video-aula, use a Ferramenta
de pesquisa, acima da playlist.

7 - Conheça os Servidores Hospedeiros Aqui


8 - Contato

9 - Índice das Bandas


31 de maio de 2009

CBGB


Fala Galera, um mini post, só pra contar uma breve história. A história de uma casa de shows que ficou muito famosa, muito por causa do punk rock. O CBGB é um clube musical localizado no bairro de Manhattan em New York. O nome completo é CBGB & OMFUG que significa: "Country, Bluegrass, and Blues and Other Music For Uplifting Gormandizers".

Em 1965 abriu outro famosa casa o Max's Kansas City também em New York, o primeiro lugar de shows punks e onde Lou Reed e o Velvet Underground, New York Dolls e The Stooges do Iggy Pop se apresentavam. Então em 1973, Hilly Kristal, proprietário do CBGB, abriu o lugar para o público Punk Rock, recebendo shows do Television e mais tarde da Patti Smith.
O lugar tornou-se muito conhecido como o berço do punk 77 e está marcado na historia de bandas e pessoas como: Television, Richard Hell, Johnny Thunders & The Heartbrakes, The Ramones, Blondie, Elvis Costello, The Dead Boys, The Misfits e todos personagens importantes para a música dos anos 70 e 80 nos Estados Unidos. Onde foi palco de muitas historias envolvendo não só bandas americanas, mas também britânicas, como o Sex Pistols, e brasileiras como Supla e Ratos de porão.

Quem quiser conhecer por dentro o CBGB, tem um programinha bem interessante no site deles, Clique aqui para conferir. Até a próxima!

30 de maio de 2009

História do Rage Against The Machine

O Rage Against the Machine (também conhecidos como Rage ou RATM) é uma banda de rock e rapcore estadunidense. Foram uma das bandas mais influentes e polémicas dos anos 1990.

Uma forte característica do RATM é a mescla de hip-hop, rock, funk, punk e heavy-metal, com letras enérgicas e politizadas. Junto com a música de protesto, demonstraram a luta pela causa política, contra a censura, a favor da liberdade e em prol dos menos afortunados.

O som do grupo é bastante diferenciado, devido ao estilo rítmico e vocal de Zack de la Rocha e as técnicas únicas de Tom Morello na guitarra.


História

A história da banda começou por volta de 1991. A primeira apresentação do Rage Against The Machine foi em Orange County. De seguida o grupo gravou uma demo de 12 músicas, que constituiram, o primeiro CD da banda. Venderam mais ou menos 5.000 cópias da demo revertendo o lucro para o seu fã clube e também em vários concertos na região de Los Angeles. Deram dois concertos no segundo palco, Lollapalooza II em Irvine Meadows, Califórnia. Ali assinaram um contrato com a gravadora Epic.

Rage Against The Machine, o primeiro CD da banda

No fim de 1992 os Rage Against the Machine fizeram uma turnê por toda a Europa realizando concertos para a banda Suicidal Tendencies. Terminada a turnê, lançaram o seu primeiro álbum, denominado "Rage Against the Machine", em 10 de Novembro de 1992 O disco vendeu mais de 3 milhões de cópias e esteve no Top 200 da Billboard durante 89 semanas. Inclui, entre outras músicas, Bullet In The Head, Bombtrack, Freedom, Wake Up (que entrou na trilha sonora do filme Matrix, anos mais tarde), e também Killing In The Name, um protesto contra o militarismo norte-americano.

Luta e Censura

Com as suas atitudes e letras, a banda foi censurada e proibida de realizar concertos em muitos estados norte-americanos. Ironicamente, a censura fez a banda crescer, o que a fez encara-la e lutar contra ela em grandes protestos. Em 1993, realizaram espectáculos em beneficência da Anti-Nazi League e da Rock for Choice.

No Lollapalooza III, desta vez no palco principal, o Rage Against The Machine subiu ao palco mas não tocaram. Fizeram apenas um protesto anti-censura contra a PMRC (Parents Music Resource Center), no qual cada membro da banda ficou de pé, nu, durante cerca de 15 minutos, cada um com uma fita preta na boca e com as letras P (Tim), M (Zack), R (Brad), e C (Tom) escritas no peito. Eles afirmaram: "Se não agirmos contra a censura, não teremos direito a ver mais bandas como os Rage!"

O Sucesso

Em 16 de Abril de 1996, foi lançado o esperado segundo disco. Evil Empire entrou diretamente para o primeiro lugar do Top 200 da Billboard. O álbum crítica , entre outros, o governo de Ronald Reagan e a relação entre os EUA e a URSS e inclui faixas como Bulls On Parade, People of the Sun, Vietnow, Revolver, Roll Right e Tire Me (que ganhou o prémio de melhor performance de metal no Grammy Awards). Em Julho do mesmo ano a banda começou uma turnê pelos EUA que durou até Outubro.

No início de 1998 a banda gravou No Shelter, parte da trilha sonora do filme Godzilla. Em meados do ano, a banda começava já a ensaiar para o álbum The Battle of Los Angeles. Em Setembro, a parte instrumental para as 14 músicas já estava pronta embora as letras estivessem ainda incompletas. Em Janeiro de 1999 a banda organizou um concerto em beneficência de Mumia Abu-Jamal. Apesar de alguns imprevistos, atraiu muita atenção. O mesmo concerto incluiu ainda as apresentações das bandas Black Star, Bad Religion e Beastie Boys. Em Genebra, Suíça, em 12 de Abril do mesmo ano, Zack de la Rocha manifestou-se contra as Nações Unidas referindo Mumia Abu-Jamal e a pena de morte nos EUA. O Rage Against The Machine tocou depois no Tibetan Freedom Concert e no Woodstock 99, nesse último queimaram a bandeira norte-americana no palco enquanto tocavam Killing In The Name.

Fim da banda e a Reunião em 2007

Em 18 de Outubro de 2000, o vocalista Zack de la Rocha declarou oficialmente que iria deixar a banda. "Sinto que é necessário abandonar o Rage pois não estamos conseguindo tomar decisões em conjunto", referiu à imprensa. "Já não funcionamos como um grupo e eu acredito que esta situação vai contra os nossos ideais políticos e artísticos. Estou muito orgulhoso do nosso trabalho, como ativistas e como músicos, e também grato a cada pessoa que expressou solidariedade e partilhou esta incrível experiência conosco". Respondendo à declaração de Zack, Tom Morello disse: "Eu não tenho maus sentimentos, e desejo que Zack se dê bem com seu projeto solo. Mas todos estão anciosos com as 29 músicas que nós temos gravadas, e algumas delas vão ser lançadas logo." Essa citação se refere ao álbum com material cover, lançado meses mais tarde. A Epic Records disse que estava muito triste com a notícias.

Há quem diga que uma das razões da saída de Zack foi o fato ocorrido no mês anterior durante a apresentação VMA, no qual Tim Commerford escalou uma estrutura do palco e teve que ser retirado do Radio City Music Hall pela segurança. Ele fez isso em protesto ao fato da banda Limp Bizkit ter ganhado o prêmio de banda de rock de ano.

Em 2007, os fãs que presenciaram a Reunião da banda, tinham esperanças que a banda voltasse á ativa, porém não houve a volta da banda. Em 2007 a música Bulls On Parade esteve no jogo Guitar Hero III. Abaixo as três músicas mais conhecidas do Rage Against The Machine:

Killing in The Name


Bulls On Parade


Guerilla Radio

29 de maio de 2009

História do Blue Öyster Cult

Blue Öyster Cult é uma banda estadunidense de Rock Psicodélico/Hard Rock e Heavy Metal, formada no final da década de 1960 e em atividade até hoje. Se formou na mesma época que bandas clássicas como Black Sabbath, Deep Purple, Uriah Heep, Grand Funk e Budgie. Mais do que apenas mais uma banda de heavy metal americana igual a tantas outras da década de 70, o Blue Oyster Cult destaca-se da maioria destas bandas por suas letras e temáticas baseadas em literatura de horror e ficção científica, inspirada por escritores como H. P. Lovecraft, Edgar Allan Poe e Stephen King. As músicas giram em torno de monstros lendários, maldições, vampiros e ocultismo.

A banda foi formada em 1967 inicialmente sobre o nome Soft White Underbelly, por estudantes do Stony Brook College de Long Island. A formação original contava com Les Bronstein (vocal), Donald Roeser (guitarra), Alan Lanier (teclados), Andy Winters (baixo), Albert Bouchard (bateria). Curiosamente as composições e produção dos shows da banda desde o início eram responsabilidade de outras duas pessoas, Richard Meltzer e Sandy Pearlman (crítico de rock responsável por cunhar o termo heavy metal, produtor também do The Clash e Dictators). A banda mudou de nome para Oaxaca quando o vocalista foi substituído por Eric Bloom. Durante estes dois primeiros anos tiveram seus álbuns recusados pelas gravadoras e lançaram apenas um single sobre o nome Stalk Forrest Group.

Após assinarem com a gravadora Columbia mudaram o nome para Blue Oyster Cult. O álbum de estréia da banda, homônimo, lançado em 1972, não impressionou crítica nem público, resultado repetido pelos dois lançamentos que se seguiram. Apenas com "Secret Treaties (1973)" subiram às paradas. O primeiro grande hit viria apenas em 1976 com a música "Don't Fear The Reapper" do álbum "Agents of Fortune" que foi incluido na trilha sonora do clássico cult movie "Halloween". O maior hit da banda viria em 1981, "Burning for You", do álbum "Fire of Unknow Origin".

O Blue Oyster Cult conseguiu reconhecimento e credibilidade estranhos às bandas americanas da época, quando todos os grandes expoentes do rock pesado vinham da Europa. Os fãs, embora fossem poucos se comparados aos de grandes sucessos populares da época, eram extremamente fiéis. Embora a banda não tivesse um grande sucesso na vendagem de discos, ao vivo a situação era outra, cativavam a platéia como poucas bandas faziam, num espetáculo não apenas sonoro mas também de iluminação e efeitos especiais. O uso excessivo de lasers nos shows levou a banda a ser processada por causar danos visuais aos espectadores.

Em 1988 foi lançado "Imaginos", álbum conceitual e extremamente bem produzido, considerado um ponto alto da banda pelos fãs embora não tenha conseguido nenhum sucesso comercial. Na realidade "Imaginos" deveria ter sido um trabalho solo do baterista Albert Bouchard, tendo sido lançado sobre o nome do Blue Oyster Cult por força de contrato com a gravadora.

Em 1992 a banda participou da trilha sonora do filme de ficção científica "Bad Chanells". As turnês cada vez mais extensas (embora para platéias menores que nos anos 80) levou a banda a diminuir sensivelmente a sua produção de estúdio, tendo sido lançados nos últimos anos apenas compilações, regravações de músicas anteriores e sobras de estúdio. Abaixo as duas músicas mais
conhecidas do B.O.C:

Burning for You


Don't Fear the Reaper


NOVIDADES E GRANDES POSTS
Galera, esperem porque semana que vem tem novidades, to preparando um TOP 5, e no mínimo um post, de alguma das Três Gigantes do Rock, uma já foi, Led Zeppelin(foi um dos meus primeiros posts). Ops Já falei de mais, Aguardem!

1000 Visitas

28/05/09

28 de maio de 2009

Dream On

Dream On é uma daquelas grandes músicas do Aerosmith, a história da música é muito legal, o Aerosmith, como a maioria das bandas começaram sem nenhuma grana, e para economizar, eles dividiam um pequeno apartamento. Com isso cada um tinha que aguenta o outro. Reza a lenda, que enquanto os integrantes tentavam dormir, Steven Tyler em seu piano, tocava uma música, com uma melodia meio chata e irritante, o que fazia com que o pessoal da banda ficasse reclamando com Tyler, mas ele sempre dizia, que a música ainda iria fazer muito sucesso. Essa música, não é nada mais, nada menos, que Dream On, o grande hit, dentre tantos outros do Aerosmith.
A música com o passar dos tempos, acabou tendo alguns covers. Mas um se destaca, o cover de também nada mais, nada menos, que Ronnie James Dio com Yngwie Malmsteen, versão fantástica, nada se compara a versão original, mas esse cover é muito bom, o Dio faz um interpretação vocal diferente, e o Malmsteen, entra com sua veloz guiatarra. Dio e Malmsteen, ambos músicos virtuosos.
Dream On também tem uma versão com Orquestra, ótima também.

Versão Cover: Dio e Malmsteen


Versão com Orquestra


Versão Original



Dream On

Every time that I look in the mirror
All these lines in my face gettin' clearer
The past is gone
It went by like dusk to dawn
Isn't that the way?
Everybody's got their dues in life to pay

I know nobody knows
Where it comes and where it goes
I know it's everybody's sin
You got to lose to know how to win

Half my life's in books' written pages
Lived and learned from fools and from sages
You know it's true
All the things you do
Come back to you

Sing with me
Sing for the year
Sing for the laughter n' sing for the tear
Sing with me
If it's just for today
Maybe tomorrow the good lord will take you away

Sing with me
Sing for the year
Sing for the laughter n' sing for the tear
Sing with me
If it's just for today
Maybe tomorrow the good lord will take you away

Dream on, dream on, dream on
Dream until your dream comes true
Dream on, dream on, dream on
And dream until your dream comes true
Dream on, dream on, dream on, dream on
Dream on, dream on, dream on

Sing with me
Sing for the year
Sing for the laughter n' sing for the tear
Sing with me
If it's just for today
Maybe tomorrow the good lord will take you away

Sing with me
Sing for the year
Sing for the laughter n' sing for the tear
Sing with me
If it's just for today
Maybe tomorrow the good lord will take you away


Tradução
Toda vez que eu me olho espelho
Todas estas linhas no meu rosto se clareiam.
O passado se foi,
Passou como o crepúsculo à aurora.
Não é desse jeito que
Todo mundo tem que pagar suas dívidas na vida?

Sim, eu sei que ninguém sabe
De onde vem e para onde vai.
Eu sei que é o pecado de todo mundo
Você ter que perder para saber como vencer.


Metade da minha vida está escrita em páginas de livros.
Vivo e aprendo dos tolos e dos sábios.
Você sabe que é verdade,
Todas as coisas que você faz, voltam para você.
Cante comigo, cante pelos anos,
Canta pelo riso e cante pelas lágrimas,
Cante comigo, se for apenas por hoje,
Talvez amanhã o bom senhor o levará.


Bem, cante comigo, cante pelos anos,
Canta pelo riso e cante pelas lágrimas,
Cante comigo, se for apenas por hoje,
Talvez amanhã o bom senhor o levará.

Sonhe, sonhe, sonhe
Sonhe consigo um sonho que se realiza.
Sonhe, sonhe, sonhe,
E sonhe até que seu sonho se realize.

Sonhe! sonhe! sonhe! sonhe! sonhe! sonhe! sonhe!

Cante comigo, cante pelos anos,
Canta pelo riso e cante pelas lágrimas,
Cante comigo, se for apenas por hoje,
Talvez amanhã o bom senhor o levará.

Cante comigo, cante pelos anos,
Canta pelo riso e cante pelas lágrimas,
Cante comigo, se for apenas por hoje,
Talvez amanhã o bom senhor o levará.

História do Thin Lizzy

Formado em 1969 pelos irlandeses Phil Lynott (baixo e vocal), Brian Downey (bateria) e Eric Bell (guitarra), o Thin Lizzy iniciou as suas atividades em Dublin, Irlanda, tocando em pequenos clubes e bares. O repertório variava entre covers e algumas composiçoes de Phil.

Em 1970 assinam com o selo Decca, onde lançam tres albuns e uma serie de compactos. Nos dois primeiros albuns, "Thin Lizzy" e "Shades of Blue Orphanage", o estilo ainda era centrado em uma mistura de Folk e Blues. No terceiro album, "Vagabonds of Western World", eles optaram por um som mais pesado. Conseguiram colocar nas paradas de sucesso os singles "Whiskey in the Jar" e "The Rocker". A banda começava, enfim, a ter sucesso.

Pulamos para 1973. Neste ano, Eric Bell deixa a banda e é substituido temporariamente por Gary Moore, amigo de muitos anos de Phil Lynott. Trocam o selo Decca pelo Vertigo. O escoces Brian Robbertson e o americano Scott Gorhan assumem as guitarras. O Thin Lizzy esta pronto para decolar.

Gravam "Nigh Life" (1974), "Fighting" (1975) e estouram para o mundo com o album "Jailbreak", em 1976. Seguem-se os albuns "Johnny the Fox" e "Bad Reputation", ambos de 1977. O Thin Lizzy ja era reconhecido como um super-grupo.

Em 1978 veio a consagraçao definitiva: foi lançado o album "Live and Dangerous", considerado ate hoje um dos melhores "ao vivo" de todos os tempos. Brian Robbertson deixa o grupo. Mais uma vez Gary Moore é chamado. Com esta formaçao gravam o album "Black Rose", em 1979. O sucesso continua.

O ano de 1980 chega e a banda começa a ter problemas. Phil Lynott começa a se afundar nas drogas. Gary Moore deixa a banda e é substituido por Snowy White, ex-sideman do Pink Floyd. Phil lança o album solo "Solo in Soho". O Thin Lizzy grava o album "Chinatown".

Lançam em 1981 o album "Renegade". Darren Wharton, que tocou como convidado no disco anterior, assume os teclados como efetivo. Snowy White deixa a banda.

Estamos em 1982. Phil Lynott lança mais um album solo, "The Phil Lynott Album". John Sykes, ex-Tyger of Pan Tang, assume uma das guitarras. Gravam o último album de estudio "Thunder and Lightning". Phil esta perdendo a luta para as drogas...

Em 1983 o Thin Lizzy faz a sua turnê de despedida com a participaçao dos membros anteriores, menos Snowy White. A turnê foi registrada no album "Live Life". O Thin Lizzy nao existe mais.

Phil Lynott ainda tenta continuar na ativa. Monta a banda Grand Slam, com o ex-baterista do Thin Lizzy, Brian Downey. O projeto não vai adiante. Em 1985, Phil e Gary Moore excursionam juntos. Phil está doente.

Em 04 de Janeiro de 1986, Philip Parris Lynott, negro, filho de pai brasileiro e mãe irlandesa, morre de complicaçães de saúde derivadas do uso contínuo de drogas pesadas. Para homenagear Phil Lynott, sua música e sua poesia, existe na Irlanda a Fundação Roisin Dubh (Black Rose, em gaélico), mantida por sua mãe Philomena Lynott. Anualmente, no dia da morte de Phil, 04 de Janeiro, acontece um espetáculo em sua homenagem, o "Vibe For Philo", com a presença de antigos membros do Thin Lizzy, bandas covers e convidados. Abaixo as duas músicas mais conhecidads do Thin Lizzy:

The Boys Are Back in Town


Wiskey on The Jar


OPINIÃO
Thin Lizzy é mais uma daquelas bandas ótimas, mas que hoje em dia pouca gente conhece ou ouve, vale a pena ouvir outras músicas dos caras. Ótimo Som!!!

27 de maio de 2009

The Ocho Guitar Lessons: Detroit Rock City Solo

Fala galera, é isso ai, hoje abrimos mais uma sessão do blog: The Ocho Guitar Lessons, sempre que possível estarei gravando e postando.
PS: Hoje me deem um desconto pra qualidade da imagem, gravei com uma camera fotográfica, na próxima a imagem será melhor. Para quem toca guitarra, e não sabe toca esse solinho, é muito fácil, e legal também. Até a próxima!

26 de maio de 2009

Procura-se Colunista


Fala galera, agora que eu to voltando com o blog, to procurando alguém, para ser Colunista/Coloborador do blog, ou seja alguém com disponibilidade que pelo menos uma vez por semana fazer uma postagem, haver com Rock. Para ser colunista exite apenas uma coisa:
-Gostar e ter um certo conhecimento sobre rock.
É o seguinte você manda sua ficha de inscrição para blogtheocho@hotmail.com, a gente bate um papo, e conforme for "aprovado", você terá sua coluna semanal aqui no blog.

Ficha de Incrição:
Nome:
Idade:
Porque você quer ser colunista do blog?

Copie e cole a ficha de inscrição, responda, e envie para o nosso e-mail. O mais rápido possível estaremos enviando um e-mail, com os próximos passos. Relembrando nosso e-mail é: blogtheocho@hotmail.com

24 de maio de 2009

Kiss x Secos e Molhados


Galera sempre houve aquela polêmica, entre o Kiss e Secos e Molhados, já faz um tempo que saiu uma reportagem no Whiplash sobre isso, tá ai o link aqui com a matéria.
http://whiplash.net/materias/curiosidades/068863-kiss.html

Menos papo, mais Rock!!!

É isso ai galera, tava programando um discurso de volta, a postar no blog(que ficou desativado por uns 2 meses), mas é isso ai, agora voltei, de verdade. Dentro das possibilidades voltarei aos poucos a postar. Agora, menos papo, mais rock n' roll!!!